Filho dependente químico: 10 conselhos para pais

por Tauama de Moraes
CRP 11 - 07100

Pode ser muito difícil ter um filho dependente químico. Muitas vezes não sabemos o que fazer, como agir, como conversar e cada vez mais nos afastamos e perdemos a briga para as drogas. Para te ajudar, hoje vamos dar 10 conselhos para pais que têm filho dependente químico.

1-Admita que há um problema

Antes de tudo, é importante admitir que algo não está certo, pois só assim você passa a pensar mais racionalmente no problema.

Enquanto está negando, não pensa muito sobre ele e não busca forma de solucioná-lo, o que muda quando você reconhece que o problema existe.

2- Converse com as pessoas próximas a ele

Muitas vezes pais de filhos dependentes não conhecem bem as companhias do filho, pois muitos deles realmente escondem isso na adolescência. Isso acontece, principalmente, se esses amigos tiverem as características ou serem amigos de pessoas que os pais costumam falar mal a respeito.

Apesar de não ser fácil falar com os amigos do filho, pode ser que amigos mais antigos, como os de infância, saibam mais da situação. Eles podem ajudar você nesse momento.

3- Não se sinta culpado

É muito comum que pais de dependentes químicos se sintam culpados pela situação em que o filho se encontra. No entanto, é importante que entenda que se sentindo culpado não vai resolver nada, apenas vai trazer problemas psicológicos para você também.

4- Lembre-se: deve criticar o comportamento e não a pessoa do seu filho

Em momentos de discussão ou decepção os pais podem acabar jogando coisas na cara do filho, ou criticando ele de forma geral. Mas lembre-se: seu filho não precisa ser isso, mas pode deixar de fazer isso.

Mesmo nas situações mais extremas pense nisso, pois quanto mais você o coloca para baixo, mais ele fica cheio de emoções e a autoestima baixa fazê-lo buscar acalento nas drogas.

5- O diálogo deve ser honesto e saudável

É preciso criar um relacionamento de sinceridade com o filho, quanto mais franco você for, melhor será a relação, sempre exigindo a honestidade dele também.

É importante saber que tudo não vai se resolver da noite para o dia, por isso, dê um voto de confiança e mantenha franqueza na comunicação.

Saiba que atitudes de fiscalizar o filho, como cheirar roupas, olhar mensagens de celular, segui-lo e escutar conversas pode diminuir a relação de confiança e o ainda afastar mais ainda.

6- Nunca ignore ou exclua seu filho

Mesmo que pareça difícil de pensar nisso, muitos pais acabam excluindo ou ignorando filhos com problemas com droga, normalmente, desistem de ajudar porque já tentou muito. Fazer isso não ajuda em nada, e ainda é uma das principais causas de recaída.

7- Não compare o filho com outras pessoas

Ser comparado com outras pessoas, independentemente de qual seja a comparação, pode gerar uma enorme pressão para a pessoa, além de irritá-la.

Essas comparações podem acontecer de forma inconsciente, numa conversa com o filho você pode dizer coisas como “você deveria estudar mais como seu irmão” “seu primo passou na federal e eu não vejo você estudar”, dizer isso apenas faz com que ele queira fazer tudo diferente e se rebelar.

8- Os pais precisam ser coerentes

Os pais precisam manter a coerência na atitude e em palavras, passando a mesma mensagem e não divergindo na comunicação com o filho.

Para que isso aconteça, é importante que pai e mãe se comuniquem entre si, mantendo a mesma conduta. É importante salientar isso, pois a mãe, como tem o sentimento de proteção mais forte, pode acabar acobertando ações do filho.

Uma vez que os pais tomem decisões, os dois devem ter a mesma opinião para o filho, para que a imagem de nenhum dos dois seja enfraquecida.

8- Não critique de forma destrutiva e severa

Críticas podem fazer bem, desde que sejam construtivas. Apenas jogar as falhas e defeitos de uma pessoa e suas ações gritando ou humilhando não faz bem.

Você pode criticar, afinal não deve ser superprotetor e reforçar as atitudes dele, principalmente se tem medo de que ele haja mal, mas deve fazer isso com muita maturidade e respeito.

9- Não minimize o problema

É fácil encontrar pais que acabam minimizando o problema. Principalmente se o filho começa a usar drogas que muitos consideram menos fortes, como a maconha, por exemplo. Então os pais podem acabar permitindo que o filho use em casa, fingir que não é nada de mais ou apenas uma fase.

Não faça isso, não minimize, pois, assim tem tudo para se tornar um problema maior depois.

10- A melhor coisa é buscar ajuda profissional

A dependência química é uma doença complexa, que pode ter sido causada por diversas causas diferentes e que depende muito de conhecimento. Por isso, a melhor coisa a fazer é buscar ajuda profissional. 

Aqui na Casa Despertar, tratamos todos os graus da dependência química em homens e mulheres, com equipes de profissionais capacitados e humanizados para tratar das pessoas da melhor forma possível.

Você sofre com um filho dependente químico? Fale com a gente

Compartilhe esse post

Relacionados

Deixe seu cometário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comece agora a mudança na sua vida

entre em contato com nossa equipe